Análise: MP11 T800 VAIC

Perfeito, o Baixaki vai mostrar o lado “negro” do MP11

Fonte: Baixaki

Este aparelho portátil oferece de tudo: celular, câmera, vídeo, MP3, televisão analógica e uma série de outras vantagens e recursos. Mas como é a qualidade de tudo isso? Descubra com a nossa análise!

Eles começaram no número três, com o simples propósito de reproduzirem arquivos de áudio em formato MP3. Depois passaram a tocar vídeos com minúsculas telas na versão MP4. Subindo mais um número na escala (em uma nomenclatura inventada principalmente pelos setores comerciais) ganharam câmeras para a captura de imagens, e daí em diante os MPs não pararam mais.

Hoje um novo número é adicionado ao nome para cada bugiganga “acoplada” ao resto das funções. Televisão, agenda eletrônica, gravação de vídeo, conexão com o computador, função de WebCam e telas sensíveis ao toque são apenas alguns dos exemplos. Mas o que mais chama a atenção dos consumidores é o fato destes notáveis portáteis funcionarem também como celulares, a preços muito mais baixos do que os dos aparelhos vendidos oficialmente aqui no Brasil.

Mas no fim das contas, vale investir em um aparelho como estes? É seguro e a qualidade é realmente a anunciada pelos sites de venda? São estas perguntas que o Baixaki tentará responder hoje, com a análise do MP11 T800 VAIC (e não Vaio), trazido diretamente da China!

Imagem retirada do site do vendedor

E para começarmos, vamos aos detalhes e especificações técnicas desta máquina:

table 1

table2

table3

Embalagem e conteúdo

O MP11 T800 não chegou dentro de uma caixa, mas sim em um pacote revestido com plástico-bolha para evitar danos no transporte. Embora esta opção não seja a ideal para chamar a atenção dos consumidores, ela foi capaz de manter o aparelho em perfeitas condições de uso.

Dentro da embalagem havia um manual de instruções, um fone de ouvido com encaixe proprietário e botão para recebimento de chamadas, um cabo para uso em conjunto com o carregador ou para conexão USB com o computador, um carregador bi-volt, um cartão Micro SD de 2 GB e duas baterias(!).

Fique atento, pois o manual está inteiro em inglês e não fornece todas as informações básicas de uso e especificações do aparelho. Exemplos de configurações são raros e na guia de resolução de problemas a maior parte das dicas se resume a um mero “Evite tais condições de uso”.

Está com problemas de sinal, com um cartão SIM não responde, ou com uma bateria não carrega? “Tente evitar”, ótima solução!

Construção, design e acabamento

As medidas não assustam somente no papel, afinal, o T800 é realmente um aparelho enorme em comprimento e também em espessura (principalmente para quem está acostumado a uma nova geração de aparelhos slim). O peso acompanha de perto, criando pressão e volume consideráveis no bolso, o que é desconfortável.

Na parte posterior temos a lente da câmera — sem qualquer proteção contra riscos e coberta apenas por uma fina capa plástica que simula vidro —, o flash (de um único LED branco), os alto-falantes e o encaixe da tampa de bateria. Dentro, tanto os cartões SIM quanto o de memória são fixados por presilhas metálicas que podem ser liberadas ou travadas, o que previne contra danos aos seus componentes. Confira a imagem abaixo:

Parte interna

Outro fator que causa impacto é o número de teclas: além do touchscreen e dos doze botões para a digitação de telefones (contando com * e #), existem mais quatro setas direcionais, quatro botões contextuais, uma tecla de cancelamento e uma tecla central de confirmação, tudo isso só na frente! Não é pra menos que tudo fica espremido e em posição ligeiramente desconfortável para as mãos.

Já nas laterais estão as teclas de controle de volume, de projeção da lente, de captura de imagem e de atalho para o modo de televisão. E por fim, na base temos dois pequenos furos que alojam a antena de televisão e a caneta Stylus, respectivamente.

Visão lateral

Tela

Apesar de utilizar o sistema de pressão para o reconhecimento do toque (ao contrário dos iPhones, que reagem por sistema capacitivo), a tela do dispositivo é bem sensível em todas as regiões, mesmo para os dedos. Apenas lembre-se de calibrá-la adequadamente pelo menu de opções para garantir que a precisão seja mantida.

O único problema é que as marcas das digitais e de gordura serão frequentes no aparelho, portanto tenha sempre uma pequena flanela por perto. Com relação às especificações, temos tamanho de 2,8” (polegadas) e 260 mil cores ativas. A resolução não foi divulgada em nenhum lugar, mas para a visualização de imagens ela se mostrou fraca.

Bateria

Ambas as baterias contidas no pacote possuem a mesma capacidade, de 2800mAh (miliampéres). A descrição do manual não nos revela nenhuma previsão de duração (que de acordo com o vendedor seria de 100 a 350 horas, uma estimativa bem vaga). Na prática, descobrimos que a duração real pendeu para a parte de baixo da curva: cerca de 130 horas com a primeira carga e menos de oito horas com músicas e jogos ativados para a nova rodada de carga.

E se a duração não agradou, aqui vai mais uma bomba: a bateria não é de íons de lítio, ao menos não de acordo com o manual, que sugere o total descarregamento antes de uma nova recarga. E ainda de acordo com ele, caso tal regra não seja devidamente seguida, haverá perda contínua do potencial de manutenção da carga. Nada animador!

Interface

Não há como negar que o carregamento do sistema operacional é rápido, levando menos de quinze no total para que tudo esteja operacional. O mesmo vale para o desligamento. Na tela inicial existem três atalhos rápidos configuráveis, além de relógios (analógico e digital), data e status dos dois cartões SIM. Vale mencionar que esteticamente tudo deixa a desejar.

Logo abaixo da tela do aparelho, há uma faixa de “botões”, que funcionam como atalho rápido para as seguintes funções:

• Tela inicial.
• Mensagens de texto.
• Agenda de contatos.
• Telefone (função de chamada).
• Reprodução de multimídia.

O interessante é que para todas as funções relacionadas à comunicação e também ao acesso a menus (como mensagens de texto e chamadas), o usuário pode operar tanto por toques na tela — com o auxílio de um teclado virtual — quanto pelo teclado físico. E como é de costume em todos os outros aparelhos no mercado, as teclas direcionais podem operar como atalhos a funções definidas nos menus de ajustes (perfis de uso, alarme, configuração de vibração e sons são algumas das opções).

Imagem da interface

Por outro lado, a disposição das funções é uma das piores que já vimos em aparelhos celulares. As configurações são dispersas, fragmentadas em segmentos diferentes, mesmo quando referentes a uma mesma parte, como a tela, por exemplo. A guia de aplicativos é bagunçada, misturando jogos e programas obrigatórios, e onde deveriam estar os programas de fato é que encontramos a ativação do Bluetooth (que por sua vez deveria estar em configurações).

E depois de buscarmos por alguns minutos o gerenciador de arquivos e o próprio recurso de gravação de vídeo — geralmente acessado em outros aparelhos por um simples botão quando estamos no modo de fotografia — é que fomos descobrir que tudo estava escondido sob o menu de câmera. Em resumo, a interface gráfica é uma baderna.

Que “portuglês” é esse?

Para nós brasileiros, o MP11 desta análise apresenta uma falha imperdoável: a tradução horrível. O pacote de palavras em inglês foi apenas passado por um tradutor automático, o que significa que você se deparará com muitas pérolas traduzidas ao “pé da letra”. A nossa favorita foi a apresentada na galeria de imagens: ao tentarmos visualizar uma delas, tivemos a opção “ Jogar”, do inglês “Play”.

Se você não entende nada de outros idiomas e prefere deixar tudo em português, prepare-se para gastar algumas horas se adaptando!

Chamadas e mensagens de texto

Teclado é bem

Para a realização de chamadas, o MP11 T800 facilita tanto para os recém chegados ao mundo touchscreen (com o teclado padrão e teclas de confirmação) quanto para aqueles que querem tudo pela tela, colocando bons atalhos e botões em tamanho razoável à disposição do usuário. A busca pela agenda também é facilitada por meio de letras iniciais e pela importação dos dados diretamente do cartão.

E é na parte de chamadas que está outra força do MP11 T800: a possibilidade de operar com dois cartões SIM simultaneamente. O usuário configura qual deve ser o preferencial para algumas tarefas e pode trocar de linha livremente após a inserção do número. Esta é a solução ideal para pessoas que necessitam de um número empresarial e de outro pessoal.

O sinal não apresentou grandes oscilações, permanecendo pela maior parte do tempo com força máxima. E esta potência se refletiu também na qualidade da chamada: sem qualquer corte ou distorção da voz, pudemos nos comunicar sem quaisquer problemas, mesmo através do modo Hands-Free, ou viva-voz.

Já para o envio de mensagens de texto, a coisa pode complicar um pouco. Ou você opta pela digitação tradicional com as teclas numéricas (como visto nos aparelhos tradicionais) ou pelo teclado completo que fica na base da tela, ativado por toque. O problema desta última opção é que, ao invés de facilitar e agilizar a digitação, ela o força a caçar teclas virtuais minúsculas. A Stylus aqui é obrigatória.

Gerenciamento de arquivos

Apesar dos míseros 256 KB de memória interna, os 2 GB do cartão Micro SD foram facilmente lidos e acessados pelo computador através do modo de conexão 1 (Mass Storage). O problema esteve no acesso dentro do aparelho, que como já tratamos durante a descrição de interface, é realizado por meio do menu de câmera.

Gerenciamento de imagens pelo PC

Funções multimídia

Agora que nós já tratamos da parte que faz deste aparelho realmente um celular e das questões básicas — como conexão com o computador e gerenciamento de arquivos — vamos para as características adicionais, típicas das famílias MPXX.

Câmera e qualidade de fotografia

A maior promessa do aparelho (de acordo com o site do vendedor) foi também a nossa maior decepção. Enquanto o anúncio mostrava 5 MP (cinco megapixels), o aparelho chegou carregando uma tarja de 9 MP, mas o valor real não superou 2 MP (1600×1200 pixels de resolução), tanto para a câmera frontal — que seria voltada a vídeochamadas, isso se houvesse suporte a conexões 3G, fato que não se concretiza — quanto para a posterior.

Investigando ainda mais afundo as capacidades fotográficas, percebemos ainda outro problema: a lente estava invertida, o que significa que para capturar imagens em modo de retrato era necessário virar o aparelho para o modo paisagem e vice-versa. E para deixar tudo ainda pior, não há zoom e a projeção da lente (mostrada na imagem abaixo) serve apenas para causar impacto nos seus amigos, pois não altera nada na imagem capturada.

Que confusão! Ao menos você pode trocar a câmera para a frontal para obter seu próprio retrato. No restante das opções, o usuário terá ao seu dispor ajustes de qualidade, resolução, equilíbrio de cores e de níveis de branco, modo de cena (entre noite e automático), captura sequencial com três ou cinco imagens e timer programável para cinco, dez e quinze segundos. Confira alguns exemplos de fotografias obtidas com a câmera do aparelho.

Interno Fotografia que seria bela, com equipamento adequado

Vídeo

O acesso para a gravação de vídeo não é feito diretamente pelo botão da câmera (como em muitos outros aparelhos nos quais a troca de modo se dá com um simples aperto), mas sim pelo menu de câmera que deve ser acessado pela interface principal, o que já complica muito a vida do usuário — e convenhamos, o seu flagra não vai esperar até que a opção correta seja selecionada na tela.

Existem alguns efeitos que podem ser aplicados e a qualidade também pode ser selecionada, mas de uma forma geral a taxa de quadros por segundo é tão baixa que os vídeos não terão a menor graça depois. Ao menos, o formato de saída é AVI, dispensando a conversão para o computador.

Televisão?

Televisão

Muita calma aqui leitor! A função de televisão captura o sinal analógico, exatamente como a antena de sua casa, e não o novo sinal digital. Dentro de prédios a recepção — como já era esperado — foi péssima, contando com mais chiados do que imagem e som. Nas ruas do centro de Curitiba o sinal melhorou um pouco, mas ainda não era constante, mesmo com a antena completamente estendida. A gravação se mostrou tão ineficiente quanto a gravação com a lente da câmera.

Se você for comprar o aparelho para esta função, tenha em mente que será necessário uma região bem aberta, bem como uma estação de transmissão próxima para que a qualidade seja próxima da ideal.

WebCam

O outro modo de conexão, disponibilizado assim que o cabo USB é plugado no computador é o de WebCam, para que você utilize a lente do aparelho com os seus programas favoritos de comunicação instantânea (pense em MSN Messenger, Skype e afins). Não é necessária a instalação de drivers e a qualidade foi equivalente a de produtos específicos para a tarefa.

Som para os ouvidos… de todos!

Ainda pela guia de multimídia, você tem acesso ao Tocador de áudio, e é nele (em conjunto com os alto-falantes) que reside a maior força deste aparelho. A qualidade do som é altíssima, sem apresentar as famosas distorções e ainda em volume consideravelmente elevado. Na falta de caixas de som, dá até mesmo para improvisar. A recepção da rádio FM foi aceitável, sintonizando automaticamente todas as principais estações.

Já os fones de ouvido não fogem do padrão. O formato é redondo para os dois lados (sem distinção entre esquerda ou direita), o que nem sempre é uma boa notícia para algumas pessoas que sofrem para encontrar o encaixe ideal. Na continuação do cabo há um botão que serve para atender ou cancelar chamadas e o conector, infelizmente proprietário, o que significa que você não poderá recorrer ao seu fone predileto.

Fones com encaixe proprietário

Ao menos o acessório não pesa — tanto o botão quanto o fio são extremamente leves — e que a qualidade do som é razoável: embora um pouco abafado e com perda de detalhes agudos, há uma quantidade agradável de graves e potência suficiente para manter o volume mesmo em locais movimentados. Apenas tome cuidado para não exagerar na dose!

Problemas com o volume

Às pessoas que preferem ser mais discretas, aqui vai um aviso importante: as teclas de volume funcionam apenas em alguns dos aplicativos, como a televisão e música. Se você ligar os jogos como o Sushi Match e o programa de criação de músicas em ambientes públicos e com os fones de ouvidos desligados, você se deparará com o som em volume alto e ficará sem controle sobre ele.

Acelerômetro e recursos adicionais

A primeira sensação que você terá com este aparelho é a de desespero. Não porque as coisas não funcionam ou porque há algo de errado, mas sim porque qualquer movimento com as mãos ou algum botão pressionado desperta alguma ação ou vibração.

• Balançou de um lado para o outro na área inicial? O papel de parede será trocado.
• Caminhou com o celular no bolso enquanto uma música está sendo tocada? A lista pula para a próxima faixa.
• O ônibus balançou enquanto você assistia ao seu programa favorito? Outro canal toma a tela.

Isso ocorre porque o aparelho vem configurado de fábrica para que o sensor de movimentos atue em todos os casos possíveis (e sem ajustes de sensibilidade), o que é muito irritante e completamente desnecessário, ainda mais quando você tem botões para as mesmas funções.

Outras formas de entretenimento

Para o usuário que quer um aparelho “tudo em um”, a diversão também é um fator importante. O portátil vem equipado de fábrica com dois jogos. O primeiro deles é apenas uma ferramenta para rolar dados com movimentos. O segundo é uma espécie de clone de Bejeweled, no qual você deve combinar três sushis iguais para destruí-los em blocos.

Os fissurados em música poderão criar suas próprias faixas com o editor de partituras, que conta com um banco de dados de mais de dez instrumentos diferentes. Apenas fique atento, pois será perdido o controle sobre o volume (as teclas laterais servirão para a transição entre instrumentos).

E para as tarefas cotidianas, o organizador (guia do menu principal) oferece agenda de tarefas — os famosos to-dos — alarme programável, calculadora básica, um conversor de moedas “burro” (que deve ter a taxa de conversão adicionada manualmente, tornando a calculadora mais eficaz) e relógios mundiais, para todas as suas viagens pelo globo.

Vale a pena?

A qualidade do aparelho como um todo é questionável. A interface foi muito mal traduzida — a ponto de se tornar confusa em alguns setores—, contando com algumas falhas básicas, a exemplo falta de controle sobre o volume em muitos dos aplicativos (o que é realmente irritante, já que as teclas estão lá justamente para isso).

A câmera, uma das maiores promessas, se mostrou a grande farsa, capturando imagens com qualidade baixa mesmo em plena luz do dia, não superando 2 MP de resolução. E para aqueles que pensam em som, lembrem-se de que os conectores de fones são proprietários, portanto você terá problemas se quiser utilizar o seu equipamento favorito ou se o original se quebrar.

Se estes fatores não são ruins o suficiente, saiba que você ainda corre o risco de sofrer taxação na compra por importação (calcule em média 60% sobre o valor total) e de receber a tela com riscos causados durante o transporte, sem direito ao suporte dos fabricantes, como para outras marcas comercializadas oficialmente aqui no Brasil.

Será que vale?

Com toda a nossa análise, os únicos pontos realmente fortes do MP11 T800 VAIC foram a possibilidade de carregar dois chips simultaneamente, a qualidade de som dos alto-falantes externos e o cartão de 2 GB para armazenamento. Ele tem de tudo, mas não consegue fazer nada direito.

No fim das contas, os MPs — assim como o MP11 T800 testado neste artigo — são aparelhos para os aventureiros que querem ter de tudo em mãos, trocando a qualidade pela quantidade.

2 Respostas to “Análise: MP11 T800 VAIC”

  1. Admin - Victor Dias Says:

    Bom respondendo a sua pergunta Jéssica:

    O sistema operacional usado pelos aparelhos MP11 e seus derivados é o “MTK OS”. É um sistema leve, que oferece um bom suporte aos processadores usados e pode ser personalizado rapidamente, o que deu origem às inúmeras interfaces diferentes usadas dos aparelhos (com cara de iPhone, de S60, etc.), muito embora trate-se na verdade do mesmo sistema.

    Somente programas com interface Java

  2. Jessica Says:

    Olá…tenho um celular desses…
    ao contrario deste, minha camera chega a 9mp
    e a funçao ‘shake’ pode ser desativada….

    gostaria de saber qual o sistema operacional dele…
    e tbm se tem como colocar um programa para rodar nele….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: